Aveleira


Nome científico

Corylus avellana L.

 

Nome comum

Aveleira, Avelaneira

 

Família

Betulaceae

 

Descritor

L. [Carl Linnaeus (1707–1778)]

 

Tipo de origem

Autóctone

 

Origem

Grande parte da Europa, até aos Urais e ao Cáucaso, e Ásia Menor

 

Descrição da espécie

A Corylus avellana é uma pequena árvore, ou arbusto, caducifólia, de copa pouco densa, que pode atingir 8 m de altura. Apresenta, geralmente, vários troncos, revestidos por casca avermelhado-escura e lisa nas árvores jovens, tornando-se castanho-pálida, gretada e escamosa nos exemplares mais velhos. As folhas, de 5 a 10 cm de diâmetro, são simples, orbiculares, cuspidatas, de margem duplamente serrada, rugosas, pubescentes, de cor verde e dispostas de forma alterna nos ramos. A floração ocorre entre janeiro e março, sendo a inflorescência masculina um amentilho, pendente, com 3 a 9 cm de comprimento e composto por centenas de pequenas flores de cor amarelo-pálida. A inflorescência feminina é uma muito pequena flor, de 2 a 4 mm de diâmetro, da qual são visíveis apenas os estiletes de cor vermelha. O fruto, em grupos de 1 a 4, é um aquénio, ou avelã, de formato esférico a ovoide, com 1,5 a 2 cm de diâmetro, de cor verde-pálida quando jovem e acastanhada quando madura. Cada avelã é parcialmente envolvida por um par de brácteas, soldadas e cobertas de pelos.

 

Observações

A origem do nome comum, avelã, provém, possivelmente, do latim nux Abellana, que se traduz em “noz de Abella”, sendo Abella (Avella) uma povoação da Campânia, no sul de Itália, onde abundam ainda hoje as aveleiras. A espécie encontra-se presente na mitologia de várias culturas europeias como, por exemplo, a nórdica, a germânica, a celta e a grega, à qual eram atribuídos os mais variados poderes.

 

Legenda: Aveleira (folha e flor)